Quando nos sentimos um fracasso em que acreditar

Quando nos sentimos um fracasso em que acreditar

Quando nos sentimos um fracasso em que acreditar

Quando você se sentir um pouco desanimado, lembre-se dessas pessoas que foram bem sucedidas, quando toda a gente achava que eram uns fracassos. Acredite em si mesmo!

Einstein tinha 4 anos, quando começou a falar.

Isaac Newton foi um fraco aluno na escola primária e foi considerado “pouco promissor”.

Quando Thomas Edison era jovem, o seu professor disse-lhe que ele era burro demais para aprender qualquer coisa. Ele foi aconselhado a ir para o campo, onde poderia ter sucesso em virtude da sua personalidade agradável.

F.W. Woolworth conseguiu um emprego numa mercearia quando tinha 21 anos, mas o seu chefe não lhe permitia atender os clientes, pois ele “não tem bom senso suficiente para fechar uma venda”.

Michael Jordan foi expulso da equipa de basquetebol do liceu.

Bob Cousy, um lendário jogador de basquetebol no Boston Celtic, sofreu o mesmo destino, mas também ele pertence ao Corredor da Fama.

Um editor de jornal demitiu Walt Disney, porque ele “não tinha imaginação e não tinha ideias originais”.

Winston Churchill reprovou o 6º ano e teve de o repetir, porque não conseguiu completar os testes necessários para a promoção.

Babe Ruth bateu para fora 1.300 vezes, um recorde da liga principal.

Uma pessoa pode cometer erros, mas não é um fracasso, até que ele ou ela começa a culpar outra pessoa. Temos de acreditar em nós mesmos, e em algum lugar ao longo da estrada da vida vamos encontrar alguém que vê grandeza em nós e que nos permite saber isso.

Quando nos sentimos um fracasso em que acreditar
Vote neste artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*