Como aprender a nos amar a nos proprios

Como aprender a nos amar a nos proprios

Amar A Nos Proprios

Como aprender a nos amar a nos proprios

Quando Jennifer era uma pequena criança, ela estava sempre a exigir atenção, especialmente de sua mãe, Sarah.

Com dois irmãos mais velhos, Jennifer tinha um lugar “especial” na família, sendo bebé e a única menina. Ela fez questão de estabelecer uma relação “especial” com a sua mãe, que adorou a ligação, já que não tinha muita relação com o marido, emocionalmente distante.

Foi fácil para Jennifer controlar a atenção da mãe. Porque a sua mãe era carente de ligação emocional e medo de não ser amada, tudo o que Jennifer precisava de fazer era ficar zangada com a mãe e Sarah reconsiderava, dando a Jennifer a atenção que ela desejava.

Jennifer aprendeu cedo a controlar a sua mãe, tornando-se irritadiça, crítica e retendo o seu amor, quando a mãe não fazia o que ela queria. Inconscientemente, Sarah contribuiu para a carência de Jennifer, questões de titularidade e a crença de que a felicidade era dependente de aprovação e atenção dos outros.

Jennifer, agora no fim dos 30, continua o padrão que começou com a mãe – prendendo-se aos outros de forma carente e exigente. O resultado é que ela não tem sido capaz de ter um relacionamento bem sucedido com qualquer dos homens com que já namorou.

Todos nós temos necessidade de nos sentirmos especiais. Não é a necessidade que é disfuncional, é como nós agimos sobre a obtenção dessa necessidade que pode ser disfuncional ou saudável.

É disfuncional quando fazemos os outros responsáveis ​​por nos fazerem sentir especiais. Quando os outros têm atenção para nos dar, quando nos cumprimentam, quando nos procuram e atendem aos nossos desejos e necessidades, a fim de nos sentirmos especiais, o nosso comportamento é disfuncional.

Seja uma pessoa “especial saudável”. Você vai parar de exigir aos outros que o façam sentir especial apenas quando aceitar a plena responsabilidade de fazer-se sentir especial. Isso significa aprender a dar a si mesmo tudo o que pode estar a tentar obter dos outros – tratando-se nas formas de amor que você deseja dos outros.

Há muitas maneiras de nos fazermos sentir especiais. Em vez de tentar levar os outros a dar o que você quiser, você pode:

Assumir a responsabilidade emocional:

  1. Atender aos seus sentimentos durante todo o dia e explorar o que pode fazer que lhe está a causar sentimentos      dolorosos, em vez de fazer os outros responsáveis ​​pelos seus sentimentos.
  2. Atender às suas próprias necessidades, em vez de esperar que os outros atendam às suas necessidades.
  3. Aceitar-se, em vez de se julgar a si mesmo. Validar-se a si mesmo, aprovar-se a si mesmo – dizer a si mesmo aquilo que quer ouvir de outros. Valorizar os seus talentos e dons.
  4. Valorizar o seu valor intrínseco e não apenas a sua aparência ou o seu desempenho – a sua bondade, compaixão,      criatividade, cuidado.
  5. Comportar-se de maneiras que você valoriza – ser amoroso, gentil, íntegro, compreensivo, compassivo, cuidador.
  6. Prosseguir o trabalho que você gosta e que o realiza, se possível.

Assumir a responsabilidade física:

  1. Alimentar-se bem para manter a saúde e o peso adequado.
  2. Descansar bastante e praticar exercício.
  3. Criar um equilíbrio entre trabalho, lazer e tempo criativo.
  4. Verificar se está fisicamente seguro, como quando conduz uma motocicleta.

Assumir a responsabilidade financeira:

  1. Certificar-se que é financeiramente independente, e não dependente de outros, se é fisicamente capaz de o fazer.
  2. Gastar dentro daquilo que pode, evitando o medo e o stress das dívidas.

Assumir a responsabilidade da relação:

  1. Levantar-se e falar a sua verdade, em vez do cumprimento, defendendo ou resistindo em face de exigências dos outros ou de críticas. Não seja uma vítima.
  2. Abster-se de culpar os outros, com raiva e crítica, pelos seus sentimentos e comportamentos. Não seja uma vítima.

Assumir a responsabilidade organizacional:

  1. Fazer as tarefas no tempo que você diz que vai fazer.
  2. Verificar se o seu espaço de vida e ambiente de trabalho são limpos e arrumados, e esteticamente agradáveis.

Assumir a responsabilidade espiritual:

  1. Aproveitar o tempo para se ligar com o amor e a verdade de Deus/Poder Superior.
  2. Tirar um tempo durante o dia para levar o amor até ao nível do seu auto-sentimento – a sua Criança Interior.

Tratar-se desta forma agradável acabará por resultar em sentir-se interiormente especial, em vez de precisar dos outros para sentir-se especial.

Amar A Nos Proprios

Como aprender a nos amar a nos proprios
Vote neste artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*