Como falar com as pessoas loucas

falar com pessoas loucas

Pessoas Loucas

Como falar com as pessoas loucas

A comunicação faz ou quebra a maioria dos relacionamentos. Você pode melhorar o seu relacionamento hoje, agora, colocando em prática algumas dessas dicas para melhorar a comunicação.

1. Pare e escute.

Quantas vezes você já ouviu alguém dizer isso ou leu num artigo sobre as habilidades de comunicação? Como é duro realmente fazer isso quando você está “no momento?” Mais difícil do que parece. Quando estamos no meio de uma discussão séria com o nosso parceiro, é difícil deixar de lado o nosso ponto no momento e apenas ouvir. Nós temos muitas vezes muito medo de não sermos ouvidos, temos pressa de continuar a falar. Ironicamente, este tipo de comportamento faz com que o mais provável é que não seja ouvido.

2. Obrigue-se a ouvir.

Você já parou de falar por um momento, mas a sua cabeça ainda está às voltas com todas as coisas que você quer dizer, e por isso você ainda não está realmente a ouvir o que está a ser dito. Ria o quanto quiser, mas os terapeutas têm uma técnica que funciona muito bem que “força” que eles realmente ouçam o que o cliente lhes diz – parafraseando o que uma pessoa acaba de lhes dizer (chamada de “reflexão”).

Isso pode perturbar um parceiro, se você o fizer muito, ou se o fizer num tom que sugere que você está a gozar, em vez de tentar ouvir seriamente. Portanto, use a técnica com moderação, e deixe o seu parceiro saber por que está a fazer isso. Se perguntar, responda – “Às vezes eu acho que não estou a perceber o que me estás a dizer, e se fizer isso posso abrandar um pouco a minha mente e realmente tentar ouvir o que estás a dizer”.

3. Seja aberto e honesto com o seu parceiro.

Algumas pessoas nunca foram muito abertas com os outros na sua vida. Bolas, algumas pessoas nem se conhecem a si próprias, nem sabem muito sobre as suas próprias necessidades e desejos reais. Mas, para estar num relacionamento, é preciso dar um passo em frente na sua vida e abrir-se.

Pequenas mentiras transformam-se em grandes mentiras. Esconder as suas emoções por detrás de um manto de invencibilidade pode funcionar para si, mas não vai funcionar para a maioria das outras pessoas. Fingir que está tudo bem não está certo. E dar ao seu parceiro o tratamento do silêncio é tão útil quanto um peixe com uma bicicleta. No deserto. À noite. Essas coisas podem ter funcionado para si no passado, mas todas constituem barreiras para uma boa comunicação.

Ser aberto significa falar sobre coisas que você pode nunca ter falado antes com outro ser humano na sua vida. Isso significa ser vulnerável e honesto com o seu parceiro, completamente e sem vergonha. Isso significa abrir-se para uma  possível mágoa e decepção. Mas também significa abrir-se para o potencial que toda a relação pode ter.

4. Preste atenção aos sinais não-verbais.

A maioria da nossa comunicação com o outro, em qualquer amizade ou relacionamento, não é o que dizemos, mas como dizemos. A comunicação não-verbal é a sua linguagem corporal, o seu tom de voz, a sua inflexão, o seu contacto visual, e quão longe você está quando fala com alguém. Aprender a comunicar melhor significa que você precisa de aprender a ler esses sinais, bem como a ouvir o que a outra pessoa está a dizer. Ler os sinais não-verbais do seu parceiro requer tempo e paciência, mas quanto mais você fizer, mais estará sintonizado com o que eles estão realmente a dizer, tais como:

  • Os braços cruzados na frente de uma pessoa significam que a pessoa se está a fechar, ou na defensiva.
  • A falta de contacto visual pode significar que a pessoa não está realmente interessada naquilo que você está a dizer, tem vergonha de alguma coisa ou acha que é difícil falar sobre algo.
  • O tom mais alto ou mais agressivo pode significar que a pessoa está a aumentar a discussão e que está muito envolvida emocionalmente. Também pode sugerir que a pessoa sente que não está a ser ouvida ou entendida.
  • Alguém que se afasta de si quando está a conversar consigo pode significar desinteresse ou que a pessoa se está a fechar.

Durante o tempo que você está a ler os sinais não-verbais do seu parceiro, esteja ciente de si próprio. Estabeleça e mantenha contacto com os olhos, mantenha uma postura corporal e um tom de voz neutro, e sente-se ao lado da pessoa quando está a falar com ela.

5. Mantenha-se focado no aqui e agora.

Às vezes as discussões transformam-se em argumentos, que podem então transformar-se em discussões sobre tudo e mais alguma coisa. Para respeitar o outro e o relacionamento, você deve tentar manter a discussão (ou argumento) voltada para o tema em questão. Embora seja fácil estar constantemente a arranjar motivos para implicar, não faça isso. Se o argumento é directamente sobre quem deve fazer o jantar esta noite, mantenha-o nesse tópico. Não se desvie pelo caminho de quem faz o quê na casa, quem é o responsável pela criação dos filhos ou quem limpa a cozinha.

Os argumentos que nos fazem desviar tendem a crescer e crescer mais e mais. Uma das partes tem de fazer um esforço nesse ponto para tentar acalmar a discussão, mesmo que isso signifique afastar-se e sair dali, literalmente. Mas há que o fazer da forma mais respeitosa possível, dizendo algo como: “Olha, isto assim não vai melhorar se continuarmos a discutir agora. Vamos dormir sobre o assunto e tentar falar sobre isso amanhã de cabeça fresca, ok?”

6. Tente minimizar a emoção ao falar sobre decisões grandes e importantes.

Ninguém pode falar sobre assuntos importantes, grandes, se está emocionalmente vulnerável, sobrecarregado ou enraivecido com alguma coisa. Essas não são as ocasiões para falar sobre problemas graves (como o dinheiro, o casamento, os filhos ou a reforma). Você pode pensar que é impossível, sem sentido ou mesmo contraditório, falar sobre um tema emocional como casar ou ter filhos sem emoção. E, no entanto, essas discussões precisam de manter uma posição de racionalidade face aos envolvidos, para não encobrir a realidade que trazem consigo. O casamento, por exemplo, traz a combinação de famílias e viver com outra pessoa no dia-a-dia. Ter filhos não é apenas sobre a roupa da criança e sobre a pintura do quarto, mas falar sobre quem vai trocar as fraldas, alimentar o recém-nascido, e estar disponível em todas as horas do dia e da noite, por meses a fio.

7. Esteja pronto para ceder a um argumento.

Quantas vezes é que vão continuar a discutir ou a ter uma discussão acalorada, porque simplesmente querem “ter razão”? Eu já falei sobre esse sentimento de necessidade de “ganhar” argumentos mais do que uma vez. Porquê? Porque muitos dos argumentos dos casais giram em torno de um pensamento, em que uma parte está “certa” e a outra parte não está disposta a ceder ou recuar. Na verdade, porém, ambas as partes precisam de recuar.

Ao fazer isso, você está a desistir de uma parte de si mesmo, comprometendo-se e não insistindo em como tem razão? Bem, isso é algo que só você pode decidir. Você prefere estar num relacionamento feliz onde você respeita a outra pessoa, mesmo que possa, ocasionalmente, discordar dela? Ou será que você prefere estar num relacionamento infeliz, onde você sabe que está sempre certo, não importa em quê? O relacionamento só desce nas suas prioridades – se estar “certa” é mais importante para si do que a felicidade do seu parceiro, então talvez você não tenha encontrado o parceiro certo.

8. Humor e diversão geralmente ajudam.

Você não tem que ser engraçado para poder usar o humor e a diversão nas conversas do dia-a-dia. Você só precisa de usar o sentido de humor que você tem e tentar incluí-lo na sua comunicação com o seu parceiro. O humor ajuda a aliviar as frustrações diárias e ajuda a colocar as coisas em perspectiva mais suavemente do que outros métodos. As brincadeiras lembram-nos que mesmo quando adultos, todos temos um lado que gosta de diversão e de fazer uma pausa na seriedade do trabalho e em outras situações em que nos colocamos.

9. Comunicar é mais do que apenas falar.

Para comunicar melhor e de forma mais eficaz no seu relacionamento, você não tem só de falar. Você pode comunicar de outras formas – por meio das suas acções, e hoje em dia também electronicamente (através de e-mail, do Facebook, de blogs, de mensagens de texto ou do Twitter). Frequentemente, os casais concentram-se apenas no aspecto de falar do seu relacionamento, mas as suas acções também falam alto. Manter contacto durante todo o dia ou toda a semana por e-mail ou outros meios electrónicos também lembra a pessoa que você está a pensar nela e como ela é importante na sua vida. Mesmo que essas comunicações sejam na maioria das vezes brincalhonas ou inconsequentes, elas podem ajudar a aliviar o dia do seu parceiro e melhorar a disposição.

Alguns casais também acham que usar o e-mail ou outro método é mais fácil para discutir questões emocionais, em vez de tentar fazê-lo face-a-face. É algo a considerar, se cada vez que você tenta iniciar uma conversa específica com o seu parceiro, rapidamente acende-se a discussão ou ele evita o assunto. E-mail ou mensagens de texto podem ser uma forma de comunicar sobre esses assuntos mais aberta e directamente.

 

* * *

Ninguém é um comunicador perfeito o tempo todo. Mas você pode trabalhar para se tornar um comunicador melhor, tentando algumas dessas dicas. Elas não funcionam todas, nem funcionam sempre. Melhorar a comunicação, no entanto, começa com a pessoa a fazer um esforço para melhorar, o que muitas vezes incentiva o outro a fazer o mesmo.

Pessoas Loucas

Como falar com as pessoas loucas
Vote neste artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*